O ano do turismo sustentável

O ANO DO TURISMO SUSTENTÁVEL

Olha que notícia boa pra começar o ano: 2017 será o ano internacional do turismo sustentável para o desenvolvimento.

A ONU declarou esta ação destacando “a importância do turismo internacional e, em particular, a designação de um ano internacional de turismo sustentável para o desenvolvimento, para promover uma melhor compreensão entre os povos em todo o mundo, levando a uma maior conscientização sobre o rico patrimônio das diversas civilizações” (retirado do site da ONU). A Organização Mundial do Turismo, OMT, será o órgão que irá liderar esta iniciativa.

Para mim, está é uma notícia imensamente celebrada. Desde quando eu estava cursando a faculdade de Turismo, na UNESP, em meados dos anos 2000, me recordo de como este assunto era falado e gera contradições. Sustentabilidade é sempre polêmico, pois infelizmente, ainda vemos muito discurso bonito e com bastante incoerência em ações, contudo, sempre acreditei que, independente disso, a importância de se buscar a prática de atitudes mais sustentáveis eram válidas e favoráveis, já que minimizar o impacto é sempre melhor do que não fazer nada, não é mesmo?

Um dos motivos que escolhi estudar turismo, foi pelo foco em Meio Ambiente e Sustentabilidade que o curso da UNESP oferecia, enquanto os demais cursos universitários davam maior ênfase a gestão e planejamento (que não me atraiam). Ter uma grade curricular majoritariamente voltada para estes dois temas acima, me motivaram muito e a só fez aumentar meu interesse e engajamento em projetos relacionados. Foi dessa época que conheci instituições como WWF e SOS Mata Atlântica e desejei ser estagiária de lá, foi ainda neste tempo que me voluntariei para projetos de educação ambiental e conscientização com população local na cidade universitária onde morei, quando entendi o imenso impacto ambiental que esta cidade havia sofrido com a construção de uma usina, que afetou diretamente o turismo local, as comunidades ribeirinhas e toda população. Estávamos numa área de proteção ambiental e isso não foi suficiente para barrar as obras, infelizmente. O impacto foi imenso.

Enfim, foi o turismo que me despertou para as causas ambientais e para o entendimento do que é sustentabilidade (econômica, ambiental, social, etc), foi o turismo que me fez conhecer comunidades tradicionais, ter contato com ribeirinhos e indígenas, foi no turismo que aprendi sobre compostagem, reciclagem e cooperação, foi no turismo que comecei a trabalhar com voluntariado e educação não formal, foi o turismo que me levou para vilarejos, para trilhas, para monumentos com um olhar mais conscientes e cuidadoso  em relação ao ambiente ao meu redor, que está fora de mim, mas é parte de mim, foi também o turismo que me sensibilizou para causas humanitárias quando me apresentando para o mundo, me fez descobrir que ele é bem menor do que parece e que estamos todos interligados, que o problema lá do outro lado precisa da minha ajuda aqui sim, porque um dia também podemos precisar deles. Foi o turismo que me abriu as portas e as janelas para viver os meus sonhos e para encontrar na educação o meu propósito de apoiar crianças e jovens a se desenvolverem de maneira integral e conscientes de seu papel por um mundo mais justo, sustentável e amoroso.

Eu vivi e vivo o poder do turismo de transformar nossa visão de mundo e, por isso, ter um ano dedicado a ações que irão impulsionar relações sustentáveis, valorizando culturas, respeitando os diferentes povos e preservando patrimônios, quebra barreiras e construindo muros, isso me gera felicidade demais e eu continuarei empenhada para fazer parte dessa história e das ações que irão deixar o nosso mundo um tanto quanto melhor.

Se você gostou dessa notícia e desse pedacinho da minha história, compartilha e aproveite para realizar um turismo consciente por onde estiver.

Abraço, Marina

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp

Deixe uma resposta

Outros artigos

Fechar Menu
×

Carrinho